Uma década de bons negócios

Sucesso absoluto. Este é o resultado de mais uma edição da Movelnorte - Feira de Móveis realizada no Centro de Convenções de Imperatriz (MA). De 23 a 26 de agosto, lojistas do Maranhão, Tocantins, Pará, Piauí, e também do Amapá e de Goiás, visitaram a 6ª edição do evento em busca de novidades e bons negócios. E o que não faltou foi novidade. “Posso dizer que esta é a melhor edição da Movelnorte entre todas. A feira está muito organizada, bonita e os expositores buscaram inovar nos produtos apresentados, principalmente em relação às cores”, conta Antonio Sampaio, tradicional lojista maranhense, com 40 lojas no estado.

Movimento do comércio atinge número positivo

O Indicador Movimento do Comércio, que acompanha o desempenho das vendas no varejo em todo o Brasil, subiu 0,2% na avaliação acumulada em 12 meses (dezembro de 2016 até novembro de 2017 frente ao mesmo período do ano anterior), de acordo com os dados apurados pela Boa Vista SCPC.
Após dois anos de retração, desde novembro de 2016 o indicador do comércio vem gradualmente se recuperando, atingindo o primeiro número positivo desde junho de 2015 quando observado na aferição acumulada em 12 meses.

Em 2016, o setor nacional de móveis e colchões, composto por cerca de 20,5 milempresas, produziu R$ 58,1 bilhões (2,6% do total da receita líquida da indústria de transformação do País) e gerou 283,2 mil postos de trabalhos. Os dados são do relatório Brasil Móveis 2017, publicação anual do Iemi – Inteligência de Mercado com apoio da Associação Brasileira das Indústrias do Mobiliário (Abimóvel).

 

O consumo aparente (produção excluída a exportação e adicionada a importação) de móveis e colchões recuou 13,6% em volume de peças em 2016 em relação a 2012. Por outro lado, em reais, o consumo aparente teve alta de 16,6% no mesmo período.

No comparativo com os dados de 2015, é possível constatar que o setor moveleiro, assim como praticamente todos os mercados nacionais, sofreu com o agravamento da crise.

Produção de móveis 2016

O valor da produção de móveis foi R$ 1,3 bilhão menor no comparativo 2016 ante 2015, já os postos de trabalham tiveram retração de 6% em igual período, entretanto, no intervalo entre 2012 e 2016, a queda foi de 12,6% na geração de empregos.

Avaliando a produção, a indústria de móveis e colchões produziu em 2016 430,6 milhões de peças acabadas (-7,1% na comparação com 2015). Desse montante, 33,4% foram de móveis para dormitórios, 16,9% para escritórios, 12,5% para cozinhas/banheiros, 11,1% estofados, 10,9% para salas de jantar e 5,3% salas de estar. Demais finalidades somaram 9,9%.

Quanto aos investimentos, o setor somou R$1 bi no ano passado, 5,8% do que em 2015, aponta o estudo Brasil Móveis 2017 As importações de máquinas para fabricação de móveis recuaram 41%, com destaque para “máquinas para fender, seccionar, etc” (retração de 91,6%, após aumento de 541,3% no período 2015/14) e “máquinas para esmerilar, lixar e polir” (única que teve crescimento, 19,3% sobre 2015).

Exportações e importações de móveis 2016
produção mundial de móveis em 2016 foi de US$ 421 bilhões, alta de 1,1% ante 2015. Desse cenário, a Ásia, capitaneada pela China, responde por 53,6% da produção e 42,3% das exportações mundiais de móveis. Já o Brasil, no ano passado, foi responsável por 3,4% da produção mundial de móveis e, somente, 0,4% das exportações.

As exportações brasileiras de móveis em 2016 somaram US$575,4 milhões (queda de apenas 0,1% ante 2015), já as importações totalizaram US$ 536 milhões (redução de 17,9% sobre 2015). Nos anos de 2012 a 2016, as vendas externas de móveis cresceram 9,8%, medidas em toneladas, enquanto em dólares houve queda de 17,8%.

De acordo com os dados do Brasil Móveis 2017, China (23,3%) e EUA (18,6%) são os países que mais exportam móveis para o Brasil. Apesar da participação modesta, Áustria e Polônia foram os que mais ampliaram vendas ao Brasil.

Já as exportações nacionais tiveram como principais destinos: EUA (23,5%), Reino Unido (13,7%) e Argentina (11%). O Estado de São Paulo é responsável por 59% das importações, o Sul, por outro lado, lidera as exportações nacionais (78,1%). Para saber mais informações e dados sobre o estudo Brasil Móveis 2017 acompanhe as publicações impressas e on-line da Revista Móbile.

Fonte: emobile